27 de maio de 2018

“SE EU FIZER ESSA POSTURA, NÃO VOLTO MAIS. AÍ VOU TER DOIS PROBLEMAS: DOR NA COLUNA E NÃO VOU ANDAR MAIS!”



HUMBERTO J. MENEGHIN


“Se eu fizer essa postura, não volto mais. Aí vou ter dois problemas: dor na coluna e não vou andar mais!” Foi o que alguém disse ao ver uma praticante realizar a variação simples de Eka pada rajakapotasana, a postura do pombo. Imagina se tivesse visto a completa? No entanto, esse comentário desmotivador para alguns e realista para outros poderia muito bem ter sido dito em relação a qualquer outro ásana do Yoga seja simples ou considerado difícil de executar.


Firme e confortável, dentro do seu limite, sem querer competir com outra pessoa para ver quem faz melhor seja qual for ásana; é o que ouvimos alguns professores de Yoga dizerem durante suas aulas, o que está dentro do bom senso.


No entanto, isso não quer dizer que uma postura que seja inicialmente considerada difícil para um praticante que se inicia no Yoga, não possa ser realizada e conquistada dedicando-se corretamente à prática, excetuando, é claro, somente aqueles que tenham certas limitações físicas e outras de saúde que os impeçam de construí-la, ao longo do tempo.


Quem lê, ouve e ainda presencia alguém dizer: “Se eu fizer essa postura, não volto mais. Aí vou ter dois problemas: dor na coluna e não vou andar mais!” pode concluir que essa pessoa, praticante ou não, realmente tenha um sério problema físico não resolvido seja no quadril, joelhos, tornozelos e claramente na coluna vertebral e no sacro ilíaco a ponto de achar que não vai andar mais. E, então, esta pessoa pode estar certa de não querer se arriscar para não agravar a situação.


No entanto, alguém pode sustentar essa crença mesmo que não tenha nenhum problema físico, e, então, só de ver e achar que a postura do pombo na sua variação simples não possa ser feita, talvez por receio, insegurança e medo de que não vai conseguir e que vai se machucar, nem tenta e deixa de fazê-la definitivamente.


No entanto, dentro dessa situação, estando tudo bem com quem inicialmente pensa assim, por que não tentar? Pois, ao longo da prática se chega lá; e o considerado difícil poderá deixar de ser.







Então, para se construir a Eka pada rajakapotasana, aqui a variação mais simples da postura do pombo, estando em Adho Mukha Svanasana, a postura do cachorro que olha para baixo, o praticante realiza as seguintes ações;


  1. Traz a perna direita dobrada com o joelho próximo à borda do tapete de Yoga, mantendo o calcanhar direito alinhado com o lado esquerdo do quadril e com a canela posicionada num ângulo de 45º à borda do mat à frente.
  2. No sequência o praticante inclina o tronco um pouco à frente e estende a perna esquerda para trás.
  3. Para ativar um pouco mais o alongamento no músculo piriforme da perna direita que está dobrada, os artelhos do pé esquerdo se acomodam ao chão para depois o praticante elevar sutilmente o joelho esquerdo e trazer o quadril um pouco mais para trás.
  4. A coxa da perna esquerda realiza uma rotação externa enquanto a parte esquerda do quadril aproxima-se mais do solo.
  5. Naturalmente, a grande maioria das pessoas não consegue aproximar absolutamente o quadril do chão e então alguns usam um bloco, bolster ou cobertores dobrados como apoio. Deste ponto o praticante deita-se possibilitando que o músculo piriforme se alongue
  6. Então, o praticante toma consciência do dedão do pé esquerdo e promove um movimento espiral interno e suave da coxa da perna esquerda possibilitando que os músculos se posicionem ao chão, percebendo também que o lado esquerdo do quadril vem mais em direção ao solo o que promove ainda mais o alongamento no músculo piriforme da perna direita.
  7. Ao elevar o tronco, estendendo-se os braços e mantendo as palmas das mãos ao solo próximas ao corpo, sobre blocos ou até sustentando-se com as pontas dos dedos das mãos ao chão, o que promove um elevar maior do tronco, o praticante traz o abdômen em direção à coluna vertebral, tomando consciência de ambos os lados do quadril, enquanto a pélvis vem um pouco para baixo, criando-se espaço na região sacral; sustentando o ásana de cinco a dez respirações.
  8. Esta postura também pode der feita em frente à parede, com os braços paralelos e elevados, apoiando-se às mãos. E, doutro modo, com os antebraços ao solo, como na esfinge.
  9.  Esta variação mais simples do pombo, se bem feita, alivia incômodos no ciático e até nas costas, abrindo também a junta quadril, alongando os flexores, as coxas, glúteos, virilha, psoas e piriformes. Eka pada rajakapotasana ainda estimula os órgãos internos e também ajuda a liberar os sentimentos emocionais negativos depositados por ali.
  10. As contraindicações são para os que têm algum problema nos tornozelos, joelhos, sacro ilíaco, lombar e quadril.
  11. Vale lembrar que este ásana também deve ser executado para o outro lado seguindo as mesmas ações.





Estando tudo bem e realizada da forma correta, o praticante vai fazer essa postura, voltar e não ter nenhum problema.

Harih Om!

Curta/LIKE:

Nenhum comentário:

Postar um comentário