27 de junho de 2012

NÃO ADIANTA FAZER YOGA E NÃO “COMPRIMENTAR” O PORTEIRO



HUMBERTO MENEGHIN


Foi exatamente esta frase: “Não adianta fazer yoga e não “comprimentar” o porteiro”, que alguém escreveu, melhor dizendo, pichou numa parede. Mas, quem teria escrito essa frase? O porteiro de algum prédio que sabe que a pessoa que não o cumprimentou pratica Yoga? Ou uma pessoa próxima desse ou dessa praticante que desaprovando o comportamento de quem não cumprimenta o porteiro é quem resolveu desabafar a indignação pichando essa frase deselegante?




Quem lê e tem um bom português, logo nota que ao invés de usarem a palavra cumprimento, erroneamente colocaram “comprimento” que usualmente empregamos no sentido de extensão, tamanho, dimensão.

Cumprimentar alguém faz parte da boa educação de qualquer um, seja ou não praticante de ásanas do Yoga. Naturalmente, quando se chega num local onde há outras pessoas que encontramos no dia a dia, as cumprimentamos, ou seja, as saudamos. No entanto, algumas das vezes, não existindo escapatória a ninguém, deixamos de cumprimentar uma ou outra pessoa, inclusive o porteiro, o que é bem natural e que pode ser tomado como falta de educação, arrogância, indiferença ou distração. Uns se importam com isso e outros nem ligam por acharem pura perda de tempo e outros até agradecem por não terem recebido o cumprimento de alguém com quem não simpatizam.

Se uma pessoa que exerce a função de porteiro ou qualquer outra que seja nos altos e médios escalões se melindra com o descaso de alguém por não o ter cumprimentado e ainda picha essa indignação numa parede alegando que “não adianta fazer Yoga e não “comprimentar” o porteiro”, ou seja, sentindo-se desprezado, isso pode visivelmente significar que essa pessoa está com o ego ferido e bem exacerbado; e, agindo da forma como agiu, extravasando a sua indignação e até mesmo a raiva por não ter sido “comprimentado”, na verdade se tornou mais deseducado e inconveniente do que aquele que não o cumprimentou.




Essa frase poderia muito bem ter sido escrita das seguintes formas:


Não adianta ir à missa e não “comprimentar” o porteiro.”
“Não adianta ser uma autoridade e não “comprimentar” o porteiro.”
“Não adianta ser famoso e não “comprimentar” o porteiro.”


E, atingido, pessoas de outros seguimentos. No entanto, vale dizer que não é pelo fato de alguém se dedicar à prática e ao estudo do Yoga que essa pessoa não tenha as suas imperfeições, que não tenha os seus dias de não querer falar e muito menos ver ninguém; que não tenha problemas pessoais como todos tem.

Hoje em dia, em qualquer canto que seja, encontramos pessoas de todos os tipos, de todos os naipes. Pessoas que são solícitas, simpáticas, prestimosas e outras que não são nada disso. Não quer dizer que por se praticar Yoga assumimos a responsabilidade de sermos absolutamente perfeitos e educados diante dos olhos alheios vinte e quatro horas por dia. Logicamente é claro que a partir do momento que começa a acontecer um aprofundamento maior do praticante em relação ao autoconhecimento, mudanças ocorrem e podem se tornar visíveis ou não, mas continuamos humanos, voláteis e imperfeitos.

Fazer Yoga, melhor dizendo, praticar Yoga, pois o Yoga já está feito, não modifica o caráter, não eleva o patamar espiritual de ninguém e muito menos garante o quesito da exímia educação.


Harih Om!

15 comentários:

  1. Desiree de Oliveira.16 de outubro de 2012 21:29

    Será que uma pessoa que pratica esta filosofia de vida de propósitos tão nobres e espirituais que é o yoga pode se julgar um “iluminado” se seus atos não o são? Quando temos a luz em nós, ela se manifesta sob a forma de ação em benefício do próximo, seja uma pessoa, um animal ou uma árvore.

    É, o porteiro estava certo! Se não fazemos as coisas simples que nos tornam uma pessoa melhor, estaremos desperdiçando um grande potencial que já está em nós e através do yoga temos a possibilidade de “despertar”.

    Então podemos tentar dar mais sentido as nossas práticas começando pelas coisas mais simples e fáceis. Que tal indicar um caminho, dizer bom dia, um sorriso, um aceno, mas temos que agir indiscriminadamente…humm isso é uma delícia e libertador.

    Experimente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aquele que pratica ásanas e estuda sobre o Yoga e Vedanta, não por isso é iluminado. Todos são imperfeitos e cada um tem aquele seu dia de não querer falar com ninguém, mas se o porteiro ou outra pessoa qualquer que encontramos no dia a dia deixa de receber um cumprimento ou até mesmo um aceno isso já é falta de educação mesmo.

      Excluir
  2. Acho que a frase é tão simples e foi aqui tão mal compreendida. O pichador provavelmente se dirige às madames que frequentam aulas de yoga e pilates porque são "chiques", mas não vêem nessas práticas a sua verdadeira essência (conhecimento próprio, amor ao próximo, energias positivas, etc.). Fácil assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A frase aqui não foi mal compreendida, mas sim interpretada, decorrendo o artigo. No entanto, como temos as escalas de valores e crenças diferentes uns dos outros é natural que se pense que a referida frase não tenha sido bem compreendida.Om Tat Sat!

      Excluir
  3. Existem inúmeras interpretações nesse texto. A minha é a de que o autor da frase quis tocar na questão do bem-estar que ambas as ações podem causar. Claro! Cada um na sua medida. O dia a dia nos pressiona e nos esfria, sendo que simples ações em meio ao corre-corre como, por exemplo, dar um abraço ou um bom dia, podem nos proporcionar algum benefício assim como outras maiores como ir à academia, fazer yoga ou orar. Isso depende de cada um e de cada necessidade...

    ResponderExcluir
  4. Nao gostei do seu texto, desculpe.. achei no inicio que abordaria um ponto de vista, mas vc foi para um lado totalmente oposto. arte de rua, expressao nos muros nao é coisa ruim, isso foi implantado na sua cabeça pelo sistema.. temos que nos expressar sim, e achei demais a frase escrita pelo porteiro, ou seja la qm pixou.

    ResponderExcluir
  5. Unknown, a expressão que deu e ainda dá o que falar é viral e até mesmo criativa, provavelmente nem foi escrita pelo porteiro, mas por alguém que tem uma boa veia artística e que sequer poderia imaginar a grande divulgação que isso teve e ainda tem. E cá entre nós essa frase já deu o que tinha o que dar. Se vc não gostou do texto, Ok, foi minha interpretação, nada decorrente de algo que tenha sido implantado na minha cabeça como vc diz.

    ResponderExcluir
  6. Pelo jeito o autor acima, faz Yoga e não cumprimenta o porteiro... discordo, e muito dos seus argumentos... Uma pessoas com educação e princípios, não deixa de dizer um simples oi, só pq não está em um bom dia...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem mais, cheguei a esse artigo pois lembrei dessa frase e vim procurar para escreve-la corretamente em um poste que iria compartilhar no facebook, o qual, se difere em totalidade da sua opinião exposta em sua publicação... é válida a leitura, se quiser faze-la. http://caiobraz.com.br/da-relacao-direta-entre-ter-de-limpar-seu-banheiro-voce-mesmo-e-poder-abrir-sem-medo-um-mac-book-no-onibus/

      Excluir
  7. Ter um dia ou outro no silêncio, com o humor virado pro mundo pode ser normal, mas ter esse sentimento todos os dias, na minha opinião é errado, ainda mais se a pessoa pratica e estuda o "universo" do yoga.
    Ao meu ver, quem escreveu a frase se deparou com aquela pessoa que se diz iluminada, com a voz mansa e que adora falar pros amigos como é bom amar tudo no universo, mas quando pega andando sozinha, se mostra o contrário. Já vi pessoas que medita, é budista, sabe os mantras de cabeça, mas que nada prática do seu dia-a-dia, muito pelo contrário do que se aprendeu, vive da ignorância, xinga o próximo pelo simples prazer e exclui a educação com aqueles em sua volta.
    Ser 100% todos os dias realmente é complicado, mas acredito que o nosso desafio está em quebrar as barreiras do ego e tentar ser um humano melhor a cada dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeita colocação Luiz! Conheço pessoas assim que pregam uma vida linda repleta de paz e vivem no mais profundo caos! Temos sim, que nos esforçarmos todos os dias para deixar o dia de quem quer que seja melhor! Se cruzou o meu caminho é sim minha obrigação sorrir e ser cordial! Só acho

      Excluir
  8. Na minha visão, essa frase vai muito além de cumprimentar, ela é uma metáfora para diversas atitudes que vemos e até temos. E considero perfeita para os praticantes de yoga, nesse meio há bastante gente com um discurso de elevação espiritual e de perfeição exagerado (ser guru é para poucos, portanto prefiro me cobrar o possível e, digamos, humano), mas que na prática não mudam o básico, nem um olhar inclusivo em relação ao outro conseguem ter. Seguem desfilando elitismo nas salas de yoga, portanto "não adianta fazer yoga, se não cumprimenta o porteiro".

    ResponderExcluir