8 de outubro de 2013

NAVADURGA: AS NOVE FORMAS DA DEUSA DURGA





HUMBERTO MENEGHIN


Mencionada em escrituras como o Yajur Veda, Vajasaneye Samhita e o Taittareya Brahman, considerada mãe do Universo, a que protege e elimina os sofrimentos dos devotos, Durga, se manifesta durante o Navaratri em nove formas distintas. Parece uma novidade inesperada saber que além da imagem tradicional que temos de Durga ela ainda conte com outras silhuetas, tal como se fosse uma simples mortal assumindo vários papeis na vida: desde mãe, esposa e a que exerce uma profissão. No entanto, nutrida de um poder único que contribui com a criação, preservação e destruição do mundo, cada uma das nove formas possui nuances distintas e significados especiais.


Mencionadas na Devi Kavacha da escritura Chandipatha, as nove formas da Deusa Durga são essas:






SHAILAPUTRI


A primeira entre as Navadurgas é Shailaputri. Significando, literalmente, filha das montanhas, também conhecida como Sati Bhavani, Parvati ou Hemavati, filha de Hemavana – o rei do Himalaia, seu culto se realiza no primeiro dia do Navaratri, as nove noites divinas. Montando um touro e carregando um tridente e uma flor de Lótus em suas duas mãos, Shailaputri personifica o poder de Brahma, Vishnu e Shiva.






BRAHMACHARINI


Sendo aquela que pratica austeridade devocional e que nos ilumina com a magnífica encarnação de Durga, Brahmacharini é a segunda forma da Deusa-Mãe que é adorada no segundo dia do Navaratri. Eivada de grande poder e graça divina, Brahmacharini traz um mala na mão direita e um utensílio com água na esquerda e está feliz, pois concede felicidade, paz, prosperidade e graça a todos os devotos que a adoram. Nutrida de imensa alegria e felicidade, Brahmacharini é o caminho para a liberação: Moksha.






CHANDRAGHANTA


A terceira faceta da Deusa Durga que é adorada no terceiro dia do Navaratri é Chandraghanta. Chandraghanta possui uma meia-lua, Chandra, em sua testa, na forma de um ghanta, ou seja, um sino; e, é por esse motivo que ela é chamada de Chandraghanta, a que encanta. Com a aparência brilhante e dourada, em cima de um leão, ela traz paz, tranqüilidade e prosperidade para vida do devoto. Esta manifestação de Durga possui três olhos e dez mãos nas quais detém três armas. Mensageira da bravura, possui grande força para lutar na batalha contra os demônios.







KUSHMANDA


Kushmanda é a quarta forma da Deusa Mãe que é venerada no quarto dia do Navaratri. Montando um leão, ela tem oito ou dez mãos e porta em algumas delas armas e um mala. O significado do nome Ku- shu- anda é peculiar: Ku – um pouco; ushma – calor; anda – ovo cósmico. Então, Kushmanda é aquela que é considerada a criadora do universo, pois quando o universo não era mais do que um vazio cheio de trevas, a luz de Kushmanda se propagou em todas as direções como os raios do sol.






SKANDA MATA


O quinto aspecto da Mãe Durga é conhecida como Skanda Mata, a mãe de Skanda ou Kartikeya, que foi escolhido pelos deuses como seu comandante na guerra contra os demônios. Ela é adorada no quinto dia de Navaratri e está acompanhada pelo Senhor Skanda na sua forma infantil. Skanda Mata tem quatro braços e três olhos. Em seu braço direito traz Skanda criança e na mão direita que está ligeiramente levantada para cima há uma flor de lótus enquanto o braço esquerdo está a posto para conceder bênçãos com a graça. No outro braço que está no lado inferior esquerdo, que há um lótus, também está levantado. Com uma aparência brilhante, Skanda Mata muitas vezes é descrita como sentada em um lótus .






KATYAYANI


A sexta forma de Mãe Durga é conhecida como Katyayani que é adorada no sexto dia do festival Navaratri. A lenda por trás de seu nome diz que um grande sábio chamado Kata, muito famoso e renomado na linhagem de santos, foi submetido a longas austeridades e penitências a fim de receber a graça da Deusa-Mãe. Kata queria ter uma filha na forma de uma deusa; e, de acordo com a sua vontade e desejo Durga atendeu seu pedido e então Katyayani nasceu para Kata como um avatar de Durga.







SHUBHAMKARI


Esta é a sétima forma da Mãe Durga que é venerada no sétimo dia de Navaratri. Ela tem a pele escura, o cabelo despenteado e uma postura destemida. Um colar que adorna seu pescoço se ilumina como um relâmpago. Com três olhos que brilham, chamas emanam de seu hálito e seu veículo é o burro. A mão direita que está levantada é a que sempre concede bênçãos a todos os que a cultuam, enquanto a mão direita inferior tem o poder de dissipar os medos. Em contrapartida, sua mão esquerda superior detém um espinho feito de ferro como arma e há uma draga na outra mão inferior. Como a Deusa Kali, Shubhamkari é negra e na mão direita porta uma espada que usa na batalha contra todos os males. Seu gesto de proteção nos assegura a libertar-nos dos medos e dos problemas. Assim é Shubhamkari, aquela que faz o bem.





MAHA GAURI


Maha Gauri é inteligente, pacífica e calma, adorada no oitavo dia de Navaratri. Seu poder é inabalável e instantaneamente frutífero. Como resultado de sua adoração, todos os pecados do passado, presente e futuro são levados embora e os devotos se purificam em todos os aspectos da vida. Devido às austeridades vividas nas densas florestas do Himalaia, Maha Gauri desenvolveu uma tez escura. Quando o Senhor Shiva a limpou com a água do Ganges, seu corpo recuperou a sua beleza e ela veio a ser conhecida como Maha Gauri, que significa muito branco. Esta Deusa veste roupas brancas, tem quatro braços e está montada em um touro. Sua mão direita adota um gesto que atenua o medo e na mão direita inferior há um tridente. Por sua vez, a mão superior esquerda segura um damaru, um pequeno tambor com chocalho e a mão inferior tem o poder de conceder benefícios aos seus devotos.






SIDDHIDATRI


Siddhidatri é a nona forma da Deusa que é adorada no nono dia de Navaratri e que tem poderes curativos sobrenaturais. Com quatro braços, ela está sempre numa postura encantadora e feliz. Para se movimentar ela cavalga um leão, abençoando todos os deuses, santos, yogis tântricos e todos os devotos como uma manifestação da Deusa-Mãe . Na Devi Bhagvata Purana está mencionado que por adorá-la o Senhor Shiva foi abençoado com todos os siddhis, ou seja, poderes sobrenaturais. Por suas bênçãos, metade de seu corpo se tornou feminino e a outra metade masculina no avatar de Ardhnarishvara .

Om Dum Durgaye Namaha!

Nenhum comentário:

Postar um comentário