9 de novembro de 2016

POR QUE FAZER POSTURAS DE YOGA EM PÉ?




HUMBERTO J. MENEGHIN


Não raro encontrar praticantes e até mesmo professores de Yoga que não incluem em suas práticas posturas de Yoga que são realizadas em pé, dando preferência as que são feitas de forma sentada ou deitados pelo chão. No entanto, mesmo que alguns ainda não apreciem dar a devida atenção aos ásanas que são feitos em pé, eles são essenciais e têm suas funções específicas no transcorrer de uma boa prática.


É verdade que quem se dedica à prática do Ashtanga Vinyasa Yoga inevitavelmente não deixa de realizar muitas posturas em pé, as standing poses, que já aparecem nas saudações ao Sol A e B passando para as em pés propriamente ditas.


Na mesma linha, não deixam de fazê-las aqueles que comumente iniciam práticas de Vinyasa Yoga realizando os namaskares


No entanto, muitos praticantes alimentam uma “preguiça interna” de fazerem as saudações ao Sol e as posturas que são feitas em pé e abertamente optam em ficar pelo chão e nada mais.


Tal “credibilidade” de que “fazer Yoga” pelo chão é mais confortável tem sua raiz justamente em práticas apresentadas por uma professora ou professor de Yoga que em suas aulas sempre deu e continua dando preferência às posturas feitas em cima do tapetinho, pelo chão, seja sentadas ou deitadas.


Excetuando o fim terapêutico de uma sequência específica que pauta a prática somente com posturas realizadas onde o praticante esteja deitado o sentado ao chão, não há um grande motivo justificável de se dispensar a prática das posturas que são feitas em pé.


Então, por que as posturas em pé são importantes? Em resposta, temos que pelo fato de as posturas em pé trabalharem a maioria dos grupos musculares, como por exemplo, os que estão localizados no quadríceps, glúteos, parte posterior das pernas e até no core, que também envolve quadril, abdômen, costas, bem como a ativação dos braços e tórax, as posturas em pé tem por finalidade começar a promover a flexibilidade, a força, a resistência e a vitalidade através do corpo inteiro.


Muitos professores e praticantes preferem realizar as posturas em pé precedendo as de retroflexões (backbends), torções e flexões, numa sequência, pelo fato de se mostrarem bem eficientes no preparo do corpo para realizarem aquelas que virão depois.


Desta forma, sempre é uma boa ideia incluir pelo menos quatro ou cinco posturas em pé durante uma sequência, como por exemplo: Virabhadrasana I, Vira II, os Guerreiros, uma vez que quando são feitas em conjunto rotacionam a pélvis de forma diferente promovendo uma ação equilibrada ao corpo.


Da mesma forma, Utthita Trikonásana, a postura do Triângulo e sua irmã Parivrtta Trikonásana complementam uma a outra pelo motivo de alongarem grupos musculares opostos.


Outra opção é adequar as posturas que são feitas em pé às que que serão feitas posteriormente durante a prática; se a intenção principal são as torções, o praticante e/ou professor(a) de Yoga pode escolher realizar ásanas em pé que incluem torções como Parivrtta Parsvakonásana, por exemplo; e por aí vai.


Então, cabe ao bom professor de Yoga incentivar seus alunos a se dedicarem às posturas em pé, evitando entrar naquele marasmo de apenas realizar as que são feitas pelo chão, pois ao longo do tempo os ásanas que são feitos em pé tornar-se-ão eficientes e agradáveis de se fazer. 


O mesmo vale aos que praticam por conta própria e que ainda estão pelo chão por mera falta de informação.


Harih Om!

Nenhum comentário:

Postar um comentário