16 de março de 2016

AGORA SÃO OS HOMENS QUE SE RENOVAM COM O YOGA TERAPIA HORMONAL




HUMBERTO J. MENEGHIN


Da mesma forma que as mulheres passam por uma diminuição significativa na produção hormonal no decorrer da vida, os homens não são exceção e sabe-se que a partir dos trinta anos de idade a testosterona vai diminuindo a cada ano. No entanto, quando chega aos cinquenta é que os sintomas da baixa hormonal nos homens começa a mostrar os seus sinais. É verdade que se o estresse está muito alto, independentemente da idade que esteja, essa baixa dos hormônios masculinos é inevitável. E, para reverter essa situação, a professora Dinah Rodrigues criou a técnica do Yoga Terapia Hormonal Antiestresse e para os Hormônios Masculinos, que reativa e eleva de modo significativo a produção hormonal nos homens.


Composto por ásanas específicos e adicionado à ação respiratória, bastrika, que tem por objetivo direcionar a energia para ativar a produção hormonal nos homens, em especial nos testículos, tiróide, hipófise e supra-renais, o Yoga Terapia Hormonal Antiestresse e para os Hormônios Masculinos atua de modo eficiente, holístico e sobretudo natural na fisiologia dos homens.


A sequência de ásanas que compõem o Yoga Terapia Hormonal Antiestresse e para os Hormônios Masculinos é definitivamente dinâmica e está acompanhada de pranayamas, bhandas,mudras e técnicas energéticas tibetanas, enquanto o prana,  ou seja, a energia  individual é ativada e direcionada a diversos pontos do corpo.


Numa ação conjunta, as glândulas e os plexos são massageados e bem estimulados; o que consequentemente contribui para reativar a produção dos hormônios no homem de uma maneira eficaz e natural, resultando em harmonia, equilíbrio emocional e tranquilidade ao praticante.


Uma vez que atenua os sintomas da baixa hormonal masculina, a prática constante do Yoga Terapia Hormonal feita para os homens além de elevar a produção da testosterona e demais hormônios envolvidos como Gonadotropina – GnRH, LH, FSH, Inibin, Tireotropina e Tiroxina dentre outros, ainda promove a  redução do estresse, da insônia, da irritação, da instabilidade emocional, da apatia, do cansaço, da falta de concentração, do raciocínio lento, da dificuldade de ereção, ejaculação precoce e a baixa libido e virilidade; prevenindo ainda a baixa imunidade e alguns problemas circulatórios.


No entanto, a prática é contraindicada em casos de câncer de próstata, mesmo após o procedimento cirúrgico. Noutros casos, como pós-operatório de cirurgias, problemas no coração e hérnia de disco mais delicadas há a necessidade de autorização médica, o que tornará a prática adaptada.


É verdade que na faixa dos cinquenta é que Andropausa aparece, de uma forma mais lenta, em comparação ao que acontece com as mulheres que apresentam uma baixa hormonal brusca por volta dos quarenta e cinco anos de idade.


No entanto, a maioria dos homens quando chegam aos trinta anos de idade começam a apresentar um declínio gradual na produção de testosterona de 1% a cada ano que a partir dos quarenta esse percentual passa a ser de 2 % a cada ano, tornando o metabolismo mais lento com aumento da gordura corporal, ocorrendo também um declínio na massa muscular, dentre outras mudanças características da baixa hormonal.


Muitos podem não saber de onde vem a testosterona, mas se você se atentar à palavra que denomina esse hormônio logicamente conclui que ela vem dos testículos; no entanto, outras glândulas também estão envolvidas na sua produção como por exemplo: as suprarrenais que estão localizadas logo acima dos rins, o hipotálamo, um centro de comando que está no cérebro responsável pelas funções endócrina, autônoma e comportamental, que por sua vez envia sinais à pituitária/hipófise que é  a parte do cérebro que controla o equilíbrio do corpo e uma grande variedade de hormônios. Então, a ordem que parte do cérebro para os testículos acontece desta forma:


1.  Quando o cérebro do homem percebe a necessidade de produzir mais testosterona, o hipotálamo que está localizado no meio da base do cérebro, promove a secreção da Gonadotropina – GnRH que segue em direção à glândula pituitária/hipófise, que também está na base do cérebro.


2. A pituitária/hipófise, por sua vez, recebe esse sinal químico do hipotálamo de modo bem perceptível e responde produzindo e secretando dois hormônios específicos à corrente sanguínea que são o FSH – hormônio Folículo Estimulante e também o LH – hormônio Luteizante. Juntos esses dois hormônios são chamados Gonadotropinas, uma dupla dinâmica que rapidamente vai promover a produção da testosterona.


3. As Gonadotropinas encontram seu caminho em direção aos testículos através da corrente sanguínea, sendo que o FSH tem como finalidade de lembrar os testículos a produzirem mais esperma, enquanto o LH vai dizer para eles produzirem mais testosterona estimulando as células Leydig, que são as células especificamente responsáveis pela produção da testosterona nos testículos.


4. Essas células Leydig são realmente as que trabalham o tempo todo dentro dos testículos para criarem uma grande gama de testosterona e por incrível que pareça elas ainda têm o papel de converter o colesterol em testosterona, absorvendo o colesterol do sangue ou se necessário ainda produzir colesterol.


5. Logo que a testosterona é produzida, ela é enviada a corrente sanguínea onde imediatamente vai estimular e desenvolver os músculos, ossos, equilibrar a gordura corporal e atenuar os sintomas da baixa hormonal no homem. Lembrando também que a tiroide tem o papel importante de estimular todas a glândulas dentro do conjunto.


6.  No entanto, se o cérebro notar que os testículos estão produzindo muita testosterona, o hipotálamo vai enviar uma mensagem a pituitária/hipófise para secretar menos LH, o que por sua vez vai reduzir a produção da testosterona nos testículos.


Sim, a testosterona pode ajudar o homem a viver mais, manter o cérebro afiado, fortalecer os ossos, mantê-lo viril, mais ativo, menos cansado, menos estressado, trazendo equilíbrio tanto no aspecto físico e mental.


No entanto, a prática do Yoga Terapia Hormonal Antiestresse e para os Hormônios Masculinos tem que ser consistente, melhor dizendo, meia hora no mínimo quatro vezes na semana, o que é super viável e recompensador.


O praticante logo vai notar os grandes efeitos que recebe de volta, podendo começar a praticar de forma preventiva ou quando já está sentindo muito os efeitos incômodos da baixa hormonal.


Você quer reativar a produção hormonal, da testosterona, através do Yoga Terapia Hormonal Antiestresse e para os Hormônios Masculinos? Entre em contato  com humbertomeneghin@yahoo.com.br, para uma aula prática, professor oficialmente especializado com a professora Dinah Rodrigues nesta técnica. Ou, leve esta prática no formato workshop para ser ministrado em seu espaço.

Harih Om!

Nenhum comentário:

Postar um comentário